Energia solar é destaque em discurso de Geraldo Alckmin; MS poderá ter usina

Em muitos Estados, energia solar é saída para acabar com os altos valores da conta de luz.

Por Redação 25/08/2018 - 22:13 hs
Foto: Reprodução
Energia solar é destaque em discurso de Geraldo Alckmin; MS poderá ter usina
Possível presidente da república precisa subir nas pesquisas

O ex-governador paulista Geraldo Alckmin, candidato à Presidência pelo PSDB, declarou que o potencial de geração de energia solar no Brasil é capaz de fazer zerar a conta de luz dos brasileiros e que as pessoas poderiam até "vender energia" gerada em suas casas.

"O Brasil tem tudo para ser o campeão da energia limpa, da energia renovável. Aqui em Ribeirão Preto com o etanol, que é um exemplo. A gente (vai) fortalecer o setor de álcool combustível no País inteiro, mais barato e mais limpo. Energia eólica (está) crescendo muito no Nordeste e no Rio Grande do Sul. Energia solar: tem país mais ensolarado do que o Brasil? Nós podemos, inclusive a pessoa, a residência, a conta ser mais barata ou até de graça, poder vender energia."

Para se ter ideia das palavras do ex-governador de SP e forte candidato a assumir a presidência da república, o assunto é realmente uma realidade nas cidades que são candidatas ao processo de inovação. Exemplo disso é Campo Grande e dezenas de outras cidades do interior, que receberam durante a semana, a visita de investidores coreanos que pretendem construir mega indústria de energia fotovoltaica. O projeto foi apresentado aos prefeitos e secretários municipais.

Se o planejamento ocorrer dentro do que está sendo organizado, o grupo da Coréia/Dubai poderá retornar após as eleições a Mato Grosso do Sul e anunciar calendário de ações. Consultores locais já se organizam para implantação de usina fotovoltaica e discussão sobre projeto que prevê a construção de espaço smart city.

Alckmin não falou sobre como pensa em implantar isso nos Estados, como Mato Grosso do Sul, mas enquanto respondia a uma pergunta sobre como pretende reverter seus baixos índices nas pesquisas de intenção de voto quando deu a declaração. "A campanha é agora que vai começar. Nós estamos extremamente animados. Está crescendo, a receptividade é ótima, e o nosso foco é emprego e renda, é a economia brasileira voltar a crescer. Nossa meta é crescer 3,5, 4, mais de 4% a economia. Para isso, nós vamos precisar de energia", disse. "O caminho é fortalecer o emprego e energia limpa e renovável", concluiu. O tucano foi, então, novamente questionado sobre se acha possível reverter os número das pesquisas. "A campanha vai começar mesmo na sexta-feira (31 de agosto, quando se inicia a propaganda eleitoral gratuita)."