Saiba se você corre risco de perder seu emprego para um robô

Saiba se você corre risco de perder seu emprego para um robô

A polêmica que levou a Disney a cortar o contrato com o youtuber mais bem pago do mundo

Por Redação/Assessoria 01/01/2018 - 23:46 hs
Foto: Reprodução
Saiba se você corre risco de perder seu emprego para um robô
Máquinas inteligentes podem executar cada vez mais tarefas antes reservadas aos humanos

No futuro, você provavelmente não irá recorrer a um corretor de imóveis ao comprar uma casa nem tratar com uma pessoa ao enviar algo pelo correio ou pegar um livro na biblioteca. Em vez disso, lidará com robôs encarregados de cumprir essas funções.

É o que prevê o pesquisador Carl Frey, da Universidade de Oxford, no Reino Unido. Ao lado de outro estudioso do tema, Michael Osborne, ele elaborou uma metodologia para estimar as chances de um emprego ser automatizado. Ele argumenta que estamos entrando em uma nova fase do avanço da tecnologia sobre os postos de trabalho.

Diploma inútil? Por que tantos brasileiros não conseguem trabalho em suas áreas

A polêmica que levou a Disney a cortar o contrato com o youtuber mais bem pago do mundo

Primeiro, máquinas substituíram atividades mais simples, como funções em linhas de montagem de fábricas. Agora, com o avanço da robótica e da inteligência artificial, há uma ameaça cada vez maior a profissões que requerem habilidades mais complexas e normalmente são associadas à classe média.

"Nenhuma indústria ou ocupação é imune à automação. No passado, isso estava restrito a atividades repetitivas. Agora, há um imenso volume de dados sendo gerados. A tecnologia de computação se sofisticou. Equipamentos eletrônicos usados na robótica estão melhores e mais baratos", afirmou o especialista à BBC Brasil.

"Isso permite identificar padrões e automatizar atividades não repetitivas, como fazer uma tradução ou dirigir um carro, coisas que não acreditávamos que podíamos automatizar há uma década."

Frey analisou 702 tipos diferentes de empregos com salário anual superior a 40 mil libras (cerca de R$ 160 mil) para identificar quais as profissões "de colarinho branco" que mais correm o risco de serem automatizadas.

No topo do ranking estão agente de crédito (98,36%), analistas de crédito (97,85%) e corretores de imóveis (97,29%). Trabalhos como gerente de remuneração e benefícios (95,57%), atendente em agências de correio (95,41%) e operador de usina nuclear (94,68%) também estão bastante ameaçados, segundo os cálculos do especialista.

De forma geral, são os empregos dos setores de prestação de serviços, vendas e construção os mais sujeitos a serem computadorizados. Telemarketing também é uma atividade que, potencialmente, tende a ser executada cada vez mais por máquinas e menos por humanos no mundo todo.

O trabalho de caixa, no banco ou no supermercado já tem sido facilmente substituído por computadores. Quem trabalha com transporte e logística ou com apoio administrativo também deve ser, eventualmente, substituído por um robô.

As 10 profissões mais ameaçadas de serem automatizadas:

1. Agente de crédito

2. Analista de crédito

3. Corretor de imóveis

4. Gerente de remuneração e benefícios

5. Atendentes de agências dos correios

6. Operadores de usinas nucleares

7. Analista de orçamento

8. Contador e auditor

9. Técnico de geologia e petróleo

10. Operadores de estações de exploração de gás

As 10 profissões menos ameaçadas pelas máquinas

1. Supervisor de trabalhos mecânicos, instaladores e reparadores

2. Diretores de gerenciamento de emergências

3. Audiologista

4. Terapeuta ocupacional

5. Ortodontistas e especialistas em próteses

6. Cirurgiões buco-maxilo-faciais

7. Supervisores de bombeiros

8. Nutricionistas

9. Engenheiros de vendas

10. Médicos e cirurgiões