Operação não é contra a CASSEMS, mas de empresas terceirizadas

O presidente da CASSEMS, Ricardo Ayache, usou a sua rede social particular para emitir um explicativo e a nota de esclarecimento da instituição.

Por Redação 27/01/2018 - 10:48 hs
Foto: Reprodução
Operação não é contra a CASSEMS, mas de empresas terceirizadas
Médico atua como presidente da CASSEMS, empresário e político

Sobre a operação da Polícia Federal e da Controladoria Geral da União, que combate o crime organizado contra a gestão pública hospitalar com desvios milionários mediante a fraudes em licitações, o presidente da CASSEMS, Ricardo Ayache, usou a sua rede social particular para emitir um explicativo e a nota de esclarecimento da instituição.

Confira na íntegra a postagem do médico feita no dia 25 de janeiro, às 14h21, na rede social Facebook:

Primando pela ética e transparência, que sempre foram as bases do nosso plano de saúde, reitero que, assim como foi dito pela Polícia Federal, a Cassems e seus dirigentes NÃO são alvos de investigação criminal. Além disso, não compactuaremos com qualquer erro individual que possa onerar o erário público, por isso, o profissional investigado foi afastado imediatamente de suas atividades em nossas unidades.

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA CASSEMS

Diante das denúncias apresentadas na manhã desta quinta-feira (25), após deflagração da Operação Again, pela Polícia Federal, e a presença de policiais nas dependências dos Hospitais Cassems de Campo Grande e Dourados. A Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores do Estado de Mato Grosso do Sul) informa que o alvo das investigações não são as unidades hospitalares.

A investigação tem foco em empresa terceirizada de hemodinâmica, que realiza específicos exames cardiológicos de alta precisão. A empresa, alvo da operação, presta serviços para as unidades hospitalares da Cassems localizadas em Campo Grande e Dourados.

Reforçamos que os protocolos seguidos pelas unidades hospitalares da Cassems são rigorosos no controle da qualidade dos serviços prestados aos seus beneficiários, e a Caixa de Assistência não admitirá, sob nenhuma hipótese, quaisquer irregularidades cometidas por prestadores terceirizados.

Diante das denúncias divulgadas nesta manhã pela Polícia Federal, a Caixa de Assistência dos Servidores informa que tomará as medidas administrativas cabíveis ao caso, incluindo o afastamento imediato do médico investigado.

Por fim, destacamos que a Cassems é o primeiro Plano de saúde do Brasil a instituir a governança aberta, por meio de um portal da transparência, tem o compromisso ético com os seus beneficiários e com a sociedade de zelar pela transparência e, por isso, naquilo que lhe compete, contribuirá com a Polícia federal em todo o processo investigativo.

****

Leia mais sobre esse tema: http://www.diariocg.com.br/noticia/520/esquema-de-milhoes-cgu-e-pf-combatem-fraudes-em-hospitais-no-ms.html