Brasil fica sem presidente com Temer desesperado atrás de apoio de deputados

Presidente tenta de todas as formas realizar manobras e trocar apoio para fugir da guilhotina.

Por Redação 04/07/2017 - 21:28 hs
Foto: Reprodução
Brasil fica sem presidente com Temer desesperado atrás de apoio de deputados
Presidente interino Michel Temer

O Brasil está sem rumo e sem comandante. Isso porque o presidente interino da república está desesperado atrás de apoio de deputados. No dia em que o presidente da Comissão de Constituição e Justiça e Cidadania (CCJC), Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), deve anunciar o relator da denúncia contra o presidente Michel Temer apresentada pela Procuradoria-Geral da República (PGR), a agenda do chefe do Executivo está repleta de reuniões com parlamentares. Das 8h às 21h30, Temer recebe, no Palácio do Planalto, 22 congressistas, sendo 16 deputados e seis senadores, incluindo representantes de 12 partidos diferentes. Ainda tem na agenda presidencial uma reunião com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, um dos ministros parlamentares, deputado licenciado pelo PP.

Para que Temer possa ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por corrupção passiva é necessário que 342 deputados sejam favoráveis à denúncia. Caso ele não consiga barrar a denúncia na Casa, o processo retorna ao Supremo para que o colegiado de ministros decida se ele se torna réu. Se assim for determinado, Temer é afastado da Presidência por até seis meses, prazo em que o julgamento deve ser concluído.

De acordo com informações do Poder360, líderes das bancadas da Câmara também se reuniram na residência oficial do presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para discutir um cronograma de tramitação da denúncia. Ao todo, havia cerca de 20 deputados presentes. O encontro durou cerca de duas horas e meia. O ministro da Secretaria Geral da Presidência, Moreira Franco, e o líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR) também compareceram, mas não permaneceram muito tempo. A ideia do Planalto é agilizar o processo enquanto o governo ainda tem base no Congresso.

O primeiro parlamentar recebido foi Ronaldo Fonseca (PROS-DF). A partir dele, de meia em meia hora o presidente conversa com outros parlamentares. Na sequência, pela manhã, o senador Wilder Morais (PP-GO), o deputado Evandro Gussi (PV-SP), o senador Ataídes Oliveira (PSDB-TO) registraram presença com Temer. Às 10h30 estava registrado na agenda o ministro da Saúde. O senador Telmário Mota (PTB-PR), a deputada Christiane de Souza Yared (PR-PR) e a deputada Bruna Furlan (PSDB-SP) fecham a manhã.

Até às 15h a agenda está aberta, podendo incluir novas articulações. À tarde e à noite, Temer se encontra com o senador Roberto Rocha (PSB-MA), o deputado Goulart (PSD-SP), o senador Pedro Chaves dos Santos Filho (PSC-MS), o senador José Maranhão (PMDB-PB), o deputado Luiz Lauro Filho (PSB-SP), o deputado e vice-líder Wilson Filho (PTB-PB) e seu pai, ex-senador e presidente do PTB na Paraíba, Wilson Santiago, o líder na maioria da Câmara, Lelo Coimbra (PMDB-ES), os deputados Peninha (PMDB-SC), José Priante (PMDB-PA), Aníbal Gomes (PMDB-CE), Alfredo Kaefer (PSL-PR), Átila Lins (PSD-AM), Darcísio Perondi (PMDB-RS) e Sinval Malheiros (Podemos-SP) – todos juntos. Roberto de Lucena (PV-SP) encerra a maratona de encontros.